Metro Goldwyn Mayer

Metro Goldwyn Mayer Metro Goldwyn Mayer es una productora multimillonaria de las hermanas Vandergeld, con el fin de crear películas, series, y programas para las aftermanas.

Metro Goldwyn Mayer está encargado de producir series, clips, películas, programas, y desfiles de moda en diferentes partes del mundo a dirección de las Vandergeld. Con una suma de empleados al rededor de los 10.000 millones en todo el mundo

Operating as usual

Address

5th Avenue, Manhattan, New York
New York, NY
10021

Website

Products

Tenemos disponible todo en cosméticos y prendas de vestir.

Alerts

Be the first to know and let us send you an email when Metro Goldwyn Mayer posts news and promotions. Your email address will not be used for any other purpose, and you can unsubscribe at any time.

Nearby media companies


Other Film & Television Studios in New York

Show All

Comments

EON Productions, Metro Goldwyn Mayer Pictures and Universal Pictures International invite you to watch a new drama called NO TIME TO DIE release date November 11 James Bond is enjoying a tranquil life in Jamaica after leaving active service. However, his peace is short-lived as his old CIA friend, Felix Leiter, shows up and asks for help. The mission to rescue a kidnapped scientist turns out to be far more treacherous than expected, leading Bond on the trail of a mysterious villain who's armed with a dangerous new technology. . please follow Sam Mark Bell's review published: http://bohemianrhapsodyclub.weebly.com/la-premiere.html
No one torments the Addams family, except the Addams family. Metro Goldwyn Mayer and Outright Games Ltd launched The Addams Family: Mansion Mayhem, the first console game based on 2019’s CGI version of The Addams Family! ⚰️🕸🎮 #weknowplay https://www.thetoyinsider.com/the-addams-family-mansion-mayhem-launch/
#Amazon pensa alla casa cinematografica Metro Goldwyn Mayer 👉https://bit.ly/3v0clrf Cosa ne pensate di questo investimento? Commentate 👇
#BlackHistoryMonth William Caesar Warfield (1920-2002). Legendary, Grammy-winning American bass-baritone of screen & stage. Opera, musical theater singer, Hollywood actor, and revered teacher. One of the great vocal artists of the 20th century. The eldest of five sons, William Warfield was born in West Helena, Arkansas in 1920, and grew up in Rochester, New York, where his Baptist minister father served as the pastor at Mt. Vernon Church. In 1938, he won the Music Educators National Song Competition in St. Louis, in his senior year at Washington High School. Following an induction in the U.S. Army in '42, he presented his senior graduation recital at the Eastman School of Music. https://www.williamwarfield.org William Warfield Life/Career Highlights: ⦿ Mr. Warfield, who spoke German conversationally, was the only African American member of the "Ritchie Boys" who trained at Fort Ritchie, Maryland, where hundreds of Jewish recruits who fled N**i Germany were trained to interrogate their countrymen. ⦿ While in the army he learned Italian, and French, and was in charge of stage shows and was discharged in 1946. ⦿ Made his recital debut at Town Hall in NYC in 1950. ⦿ He gave 35 concerts in a tour of Australia at the invitation of the Australian Tamil Broadcasting Corporation. ⦿ Performed in a European tour of 'Porgy and Bess' in 1952, sponsored by the U.S. State Department. He made 6 separate tours for the department, more than any other solo artist from America. Was the lead singer in the national tour of Broadway hit, 'Call Me Mister.' ⦿ Married Leontyne Price, whom he met in 'Porgy,' but divorced due to their careers, preventing them from being together. ⦿ Sang the premiere performances of Aaron Copeland's 'Old American Songs' with orchestra in 1955. ⦿ Played The Lord in the Hallmark Hall of Fame TV show of "The Green Pastures." ⦿ Starred as Joe in Metro Goldwyn Mayer's '51 remake of 'Show Boat,' and the 1990 film 'Old Explorers' with José Ferrer and James Whitmore. He played the role of Joe in a '66 production at Lincoln Center production and one in '72 in Vienna, in addition to recording three different albums of the show. ⦿ Won a Grammy Awards in the "spoken word" category for his narration of Aaron Copland's 'A Lincoln Portrait" accompanied by the Eastman Philharmonic Orchestra. ⦿ Dedicated his time and effort to the National Association of Negro Musicians. ⦿ Became a Professor of Music at the University of Illinois Urbana-Champaign in 1975, then the Chairman of the Voice Department, before moving to Northwestern University School of Music in '94. ⦿ Founded in 1977, The William Warfield Scholarship Fund, is dedicated to providing financial support and encouragement to African American students at high school & pre-collegiate levels. ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– ⦿ "Two Songs" by Aaron Copeland - https://youtu.be/liIePs_-ULQ ⦿ "Old Man River" - https://youtu.be/dHH4Z_WhaL4 ⦿ "Deep River" - https://youtu.be/jyNUjb1_vfg
Pitching my brand new feature script, "Shining Moment", a compelling drama that I call a modern day "Rocky" story with a different spin. #script #screenplay #screenwriter #pitch Warner Bros. Pictures Sony Pictures 20th Century Studios Paramount Pictures Lionsgate Metro Goldwyn Mayer New Line Cinema Castle Rock Entertainment Columbia TriStar Motion Picture Group Destination Films AFFIRM Films Focus Features Working Title Pantelion Films Netflix Hulu Apple TV AmazonPrime #filmindustry #director #producer #hollywoodstudios #HollywoodExecutive #PitchMeeting #filmmakersworld #filmandtv #rocky #featurefilm #compelling #drama #boxing #awardwinning #cinema #cinematography #filmproduction #movies #movietheater #movietime #filmmaking #filmindustrynetwork #snow #blizzard2021
🔴 La Metro Goldwyn Mayer ha annunciato con un primo teaser trailer l’uscita del sequel de La Famiglia Addams, film d’animazione del 2019 basato sugli iconici personaggi nati dalla fantasia di Charles Addams 👇
🎬 Cinema Rodrigo DESAFIO DO ALÉM (The Haunting) ↺ ⭐️ 8,0/10 © 1963 Argyle Enterprises, Metro Goldwyn Mayer REINO UNIDO 📢(Direção) Robert Wise 🎭(Elenco) Julie Harris, Claire Bloom, Richard Johnson, Russ Tamblyn, Fay Compton, Rosalie Crutchley com: Lois Maxwell, Valentine Dyall, Diane Clare e Ronald Adam 📑(Roteiro) Nelson Gidding 💵(Produção) Denis Johnson, Robert Wise 🎼(Música) Humphrey Searle 🎥(Fotografia) Davis Boulton 🎞(Montagem) Ernest Walter 🖼(Design de Produção) Elliot Scott 🧥(Figurino) Maude Churchill, Mary Quant 📽(Sinopse) Quatro pessoas irão vivenciar experiências sobrenaturais numa velha mansão mal-assombrada localizada na Nova Inglaterra. Baseado no famoso livro de Shirley Jackson (1916-1965): "Haunting of Hill House". Hoje em dia essa obra é mais conhecida pela adaptação em série pela Netflix, aliás, muito boa, realizada por Mike Flanagan. E vem por aí uma segunda temporada. Ainda é justo glorificar essa primeira versão que mesmo datada continua dando uns bons sustos. Dirigido pelo mestre ROBERT WISE (1914-2005), de filmes indispensáveis como: O Dia Em Que A Terra Parou (1951), Amor, Sublime Amor (1961) e A Noviça Rebelde (1965), dentre outros, e este confessou que THE HAUNTING (1963), aqui sob o título tolo de “Desafio do Além”, é um de seus filmes prediletos na qual realizou, de um top com 12 filmes favoritos e sempre comentou ao longo dos anos e entrevistas que foi sua experiência mais interessante como diretor. O filme apresenta um prólogo terrificante baseando-se no romance da consagrada Shirley Jackson, narrando a conturbada premissa da assombrada Hill House que fora construída por Hugh Crain, interpretado por Howard Lang sem créditos, de filmes como Corredores de Sangue (Corridors of Blood, 1958, de Robert Day. Com Boris Karloff e Christopher Lee), um sujeito esquisito, impiedoso e austero e que alguns anos atrás o local já presenciou mortes violentas e misteriosas de nada menos do que quatro mulheres. O mote é a protagonista, uma mulher solitária e reprimida (inclusive sexualmente) e magistralmente interpretada por JULIE HARRIS (1925-2013) como Eleonor Lance. Ela já atuou em clássicos inesquecíveis como Vidas Amargas, 1955, com James Dean e indicada para o Oscar de Melhor Atriz por The Member of the Wedding, 1952. Eleanor e ou/ “Nell” tem a chance de participar de um experimento psíquico organizado por um doutor, John Markway (RICHARD JOHNSON) um antropólogo em busca de dados científicos da falaciosa paranormalidade que tanto irritam os céticos. Não se sabe ao certo da existência de fantasmas até passarem algumas horas trancafiados naquele labirinto sombrio. Junto com eles estão mais duas pessoas de personalidades distintas. Luke Sanderson (RUSS TAMBLYN), o sobrinho cético do atual proprietário, e Theodora e ou/ “Theo”, com jeito lésbico, é uma médium e artista com um interesse aparente em fazer com que sua nova companheira de quarto se abra para o mundo. Os indícios de homossexualidade se atenuam na medida certa. Aliás, “Theo” é vivida por CLAIRE BLOOM, atriz inglesa de inúmeros trabalhos no cinema incluindo: O Discurso do Rei (2010), a versão original de Fúria de Titãs, 1981 e de séries de TV como Dr. Who (2009-2010). Obviamente, a casa começa a dar sinais de toda a sua fúria sobrenatural, mas de maneira eficaz e bem cinemática, Wise se utiliza de bons artifícios, criando com maestria enquadramentos oblíquos, lentes olho-de-peixe, reflexos no espelho e principalmente o uso sonoro incomum que deixa a sessão ainda mais medonha. Além de, criar edições de imagens que dão uma ilusão de ótica fantástica. É a Hill House criando vida. Idiotamente, Hollywood fez outra versão em 1999 de mesmo nome (estrelada por Liam Neeson, Catherine Zeta-Jones, Owen Wilson, Bruce Dern e Lili Taylor – “A CASA AMALDIÇOADA”) que foi dirigida por Jan de Bont (o projeto havia começado pelas mãos de Wes Craven que depois abandonou) no estúdio de Steven Spielberg, a Dreawworks. Evidentemente que o filme foi massivamente criticado, afinal, foi utilizado o escapismo óbvio dos grandiloquentes efeitos especiais que nem sequer dão medo ou deixam a trama mais interessante. Prefiro toda uma ideia imaginativa antecipada pelo suspense criado originalmente por Wise. Um filme que Dario Argento também teria feito da maneira correta (provavelmente mais explícito). Gosto do momento em que estranhas vozes atormentam Nell durante a noite e quando inexplicáveis correntes de ar frio atravessam os cômodos. Numa cena inesquecível e assustadora, Eleanor descobre que não estava segurando a mão de nenhum dos outros visitantes... De fato, ela tem um elo com a casa e torna-se o alvo principal de todas as atenções, incluindo as manifestações fantasmagóricas cada vez mais constantes. Tudo é feito com tanta genialidade que a fita é capaz de nos fazer dormir com a luz do abajur acesa. Adoro quando Eleanor finalmente entra em colapso nervoso diante aos fatos nada científicos. Os outros acabam por temer sua sanidade e o seu destino é bem desagradável. O filme é muito mais pesado e sério do que a versão de 99. O roteirista NELSON GIDDING (1919-2004), que havia sido indicado ao Oscar pelo Roteiro de Quero Viver! (I Want to Live! 1958), também dirigido por Wise, começou a trabalhar na adaptação exatamente seis meses depois de ter lido o livro. Segundo Gidding, ele havia achado que a prosa era mais sobre um delírio mental da personagem principal do que propriamente de terror. No entanto, isso é mantido no filme, inclusive num monólogo interior de Eleanor quando esta perde o controle da realidade. Foi rodado nos estúdios da MGM (situado no Reino Unido) com um orçamento modesto. As locações são belíssimas, embora o filme tenha uma aparência gótica (além de tudo é fotografado em preto e branco por DAVIS BOULTON), mas o local filmado para o exterior da Hill House (que agora é um Hotel de luxo), Ettington Hall, deixa claro o bom gosto da equipe de locação. Aliás, é um cenário perfeito para a ocasião, já que a região fazia parte de uma lista de mansões, castelos e casas britânicas mal assombradas. Julie Harris, com uma personagem frágil, sofria de uma grave depressão na época das filmagens. Sua relação com os colegas de cena era um problema. Todos os quartos tinham tetos (nada era em estúdio) para criar um efeito de claustrofobia mais convincente. O truque era manter o âmbito extremamente iluminado.Dito isso, DESAFIO DO ALÉM certamente esta na minha lista dos maiores filmes de terror já realizados. Ganhou status de cult tendo muitos fãs. Em 2010, o The Guardian o classificou como o 13º melhor filme de terror de todos os tempos e até o diretor Martin Scorsese o colocou em sua lista dentre os melhores do cinema de gênero. Inquietante. Sutilmente provocador. Um filme para ser assistido acompanhado! Crítica por Rodrigo Mendes